[Album Review] Red Velvet – The Perfect Red Velvet (ou depois de um bom álbum e um clipe memorável, Red Velvet está de volta! Será que teremos uma boa fanfic e boas b-sides pra acrescentar ao Pefect Velvet??)

Depois de voltar com um de seus melhores conceitos desde o debut e entregar um álbum digno de nota, Red Velvet já está de volta com um novo single e duas b-sides, prometendo nos teasers uma 2° temporada de Peek-A-Boo… Mesmo não entregando um enredo no clipe, o Aquário Hipster não desistiu de ver a estória das assassinas de pizzaboy continuar então preparou, junto com o review das novas músicas do repackage, uma mini-fanfic de Bad Boy… Estão prontos para a Series 2??

Resultado de imagem para the perfect red velvet

Tracklist:

  1. Bad Boy
  2. All Right
  3. Uma parte da tracklist do Perfect Velvet
  4. Time to Love
  5. O resto da tracklist do Perfect Velvet

Assim, como Peek-A-Boo, Bad Boy foi uma escolha esquisita como single. Justamente agora, colocando “Red” no “Velvet” do título do álbum, eu imagina que iria vir algo mais no pique energético do lado Redzão delas… Enfim, o número de urban R&B teve uma pegada boa e diferenciou um pouco de outros lançamentos R&B que se vê na Coreia, mas, mesmo assim, a música ainda não tem pique pra ser lead single.

O refrão grudento nos oh eh oh eh oh ficou legal, mas não combinou com o clima sóbrio do resto da faixa que, além disso, não combinou com o clipe trevoso. Provavelmente, com o tempo, a faixa ainda crescerá dentro de mim, porém, a impressão é que foram três ideias (refrão+versos+clipe) que ficariam ótimas separadas, mas juntas… É, não foi muito dessa vez..

Enfim, vamos à fanfic:

Bad Boy

Uma Noite de Travessuras

red-velvet-bad-boy-teaser.jpg

O burburinho já tinha se alastrado pela vizinhança… Todo mês, quando a lua cheia brilhava no céu, um jovem entregador de pizza desaparecia para nunca mais ser encontrado. E, coincidentemente ou não, na última noite que eram vistos, sempre tinha uma entrega pra aquela casa esquisita no final da rua. A polícia já desconfiava de suas habitantes, mas ninguém sabia ao certo quem ou o que vivia ali…

Nossas conhecidas bruxas, Joy, Wendy, Irene, Yeri e Seulgi, sabiam o que as esperavam. Não era a primeira vez que elas passavam por isto e não seria a última. Os humanos comuns eram muito cricas com qualquer casinho e faziam balbúrdia demais… Já que iriam sair de sua amada casa, que saíssem com estilo!

Esperaram anoitecer, os humanos sempre tinham mais medo e eram mais engraçados à luz da lua.  A cama interdimensional já estaria pronta e posta. A neve começaria a cair ao final da tarde. Hi! Hi! Hi! 

Alguns dizem que tudo começou no pôr-do-sol. Outros, que já tinha começado logo no raiar do dia. O fato é: tinha começado a nevar no meio do verão. O sol brilhava de forma cegante e flocos de neve, leves como penas, caíam dançando no ar. E isto nem foi o mais esquisito: quando as estrelas começavam a brilhar no céu, uma cama surgiu, do nada, no meio da rua.

UMA CAMA. Sem mais, nem menos. Vários vizinhos saíram de suas casas. Eram poucos os que relacionavam aqueles acontecimentos com as moradoras da casa no final da rua. Eles estavam apenas perplexos com o que estava acontecendo.

Os humanos eram muito previsíveis! Yeri não poderia acreditar! Tudo estava saindo exatamente como tinha escrito em seu pequeno roteiro! Agora era o momento em que apareciam armadas das casas dos próprios moradores que fitavam sem parar a cama.

O primeiro grito surgiu com os tiros que Seulgi deu de seu revolver. Tinha acertado de raspão uma senhorinha centenária de vestido florido. Todos em volva começaram a correr como baratas tontas enquanto elas os perseguiam. Não tinham qualquer necessidade de matança, mas se um ou dois caísse no meio da confusão… Que problema teria?

A rua já estava quase deserta quando um grupo de cinco meninos tão armados quanto elas surgiu no horizonte. “Esse é nosso pedaço!”, um deles gritava, “Ninguém bagunça no nosso pedaço sem ser a gente!”. Ah, coitados! Yeri já esperava que eles iriam surgir. Wendy tinha sugerido de fazê-los acreditar que estavam queimando quando planejavam sua despedida, no entanto, Seulgi tinha dado uma ideia MUITO melhor. 

“Vamos atingir esses bad boys no órgão que mais doí no ser humano: o bolso!”

A cara deles quando ela começou a atirar dólares foi impagável! No começo, o choque, e depois, a correria entre eles na luta para ver quem conseguiria mais notas. Se dessem sorte, eles mesmos iriam se matar.

Agora era a hora de partir. Se ficassem muito mais, ia passar o choque e os vizinhos iriam começar a pensar racionalmente – para uns humanos, claro – e envolver a polícia. Humanos de uniforme eram muito mais chatos para brincar do que os outros.

Então as cinco subiram em cima da cama. Para onde elas iriam, nem mesmo tinham certeza. Na verdade, isto não importava muito. O acaso era um ótimo ingrediente na receita do caos. Quem sabe em sua próxima casa também teriam vários entregadores de pizza deliciosos?

Na sequência das novas faixas, temos All Right, minha faixa preferida das três, com uma uptempo vinda direto do synthpop dos anos oitenta e suas notas de teclados toscovilhosas que parecem trilha sonora de videogame. A letra tem aquele caráter fofo meio insano do lado red delas, falando sobre lidar com os problemas da vida e de um relacionamento de forma calma, “chacoalhando-os” pra longe.

Time to Love traz um número de R&B mais clássico, com suspiros, estaladas de dedos e suspiros harmônicos, não sendo tão icônica quanto Kingdom Come, mas não caindo na mesmice de Perfect 10. O tema é sobre a ansiedade perante a possibilidade de começar um novo relacionamento com as já conhecidas analogias sazonais envolvendo flocos de neve. Em resumo, algo que não fede nem cheira.

Conclusões RV#1

Confesso que eu fiquei meio decepcionado com esse comeback. Provavelmente, isto foi por causa do hype enorme que eu estava depois dos sucessivos lançamentos bons que coroaram o 2017 delas. Do jeito que elas estão com pique pra fazer comeback, daqui uns dois ou três meses elas já estarão de volta, trazendo sabe-se lá que conceito para seu próximo clipe… E este é o grande ponto com o grupo: não dá pra prever o próximo lançamento delas, mas a possibilidade de ser algo ruim ou feito nas cochas (principalmente no quesito visual) é sempre mínima.

 

2 comentários em “[Album Review] Red Velvet – The Perfect Red Velvet (ou depois de um bom álbum e um clipe memorável, Red Velvet está de volta! Será que teremos uma boa fanfic e boas b-sides pra acrescentar ao Pefect Velvet??)

  1. “E este é o grande ponto com o grupo: não dá pra prever o próximo lançamento delas, mas a possibilidade de ser algo ruim ou feito nas cochas (principalmente no quesito visual) é sempre mínima.”
    Talvez seja esse um dos motivos de gostar delas, você não espera nada e depois do ano passado ficamos com um hype imenso mesmo. Tanto, que ate liberei memoria no meu celular pra as músicas novas delas e da próxima Loona e derrapei feio 😐

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s