[Album Review] Namie Amuro – Concentration 20 (ou A Saga da Diva Quase Aposentada Namie Amuro: Capítulo 2 – Dance rock e o single mais vendido de todos os tempos!)

Concentration 20.png

ANTERIORMENTE EM A Saga da Diva Quase Aposentada Namie Amuro… Analisamos o estilo pseudo conceitual e cheio de interlúdios do primeiro álbum realmente solo da diva, que tornou-se um sucesso de vendas como o álbum mais vendido da carreira dela e o 13° mais vendida da história do Japão. Agora, veremos como, além de ter lançado um segundo álbum bem-sucedido e o single mais vendido de qualquer ato feminino no Japão, Namie acabou ficando grávida e se casando, no ápice de seu sucesso…

Imagem relacionada

Tracklist:

  1. Concentration 20 (make you alright)
  2. B w/z You
  3. Close Your Eyes, Close to You
  4. Me Love Peace!!
  5. No Communication
  6. A Walk in the Park
  7. To-day
  8. Storm
  9. Whisper
  10. Can You Celebrate?
  11. I Know…
  12. How to Be a Girl

Novamente, o álbum foi praticamente inteiro produzido por Tetsuya Komuro, no mesmo estilo de eletrônico e rock que levou ao sucesso a banda globe, cujo o álbum de estréia vendeu mais do que o de Namie, sendo também produzido por Tetsuya. Concentration 20 teve três singles: A Walk in the Park, Can You Celebrate? e How to Be a Girl. O primeiro e o último foram um sucesso, mas a grande estrela desse momento na carreira de Namie foi Can You Celebrate?, que passou praticamente DEZ MESES nos charts japoneses e foi relançada inúmeras vezes pela própria Namie, vendendo mais que ovo de chocolate na Páscoa.

Resultado de imagem para namie amuro and sam

Pouco depois do álbum ser lançado, Namie revelou que estava grávida de três meses e iria se casar com o pai da criança, Masaharu Maruyama, integrante da banda TRF sob o stage name de SAM, dezesseis anos mais velho que ela (a fotinho do evento em que ela fez este anúncio tá aí em cima). Apesar de ser uma resultado de uma relação breve e não ter sido planejada, a gravidez de Namie e sua subsequente decisão de se casar foi vista pela mídia e pelo público como uma atitude incrivelmente correta, com a diva virando cidadã-modelo. Até o governo japonês aplaudiu a atitude de Namie, achando que o fato influenciaria a geração mais jovem, que não tinha interesse no casamento, a vê-lo como meta de vida @.@’

Voltando ao álbum, temos como primeira faixa Concentration 20 (make you alright), um rock industrial num tom completamente dark, com Namie mandando uns raps e gritando agressivamente no refrão. É uma ótima intro e uma das melhores músicas do álbum, principalmente por conseguir dosar muito bem os solos de guitarra e bateria com as partes cantadas por Namie.

B w/z You traz o techno típico dos anos noventa nos primeiros vinte segundos, mas, ao invés de aumentar o tempo da música, o ritmo desacelera e vira uma baladinha apoiada por coros e guitarra. A faixa não funcionou muito bem depois de Concentration 20 (make you alright) e acabou meio que quebrando a carga dark de uma forma abrupta sem qualquer aviso.

Close Your Eyes, Close to You também começa com techno, desembocando num house que até chega a lembrar musicalmente os lançamentos das Super Monkey’s. Só que, ao invés dos gritinhos agudos do antigo grupo de Namie, a diva canta de uma forma sóbria e contida, restaurando o clima que a primeira faixa do álbum trazia. A única coisa que não me desceu muito bem nessa música foi o comprimento… Só a introdução da melodia pega um minuto e meio antes de Namie começar a cantar o.o’

Me Love Peace!! inova trazendo uma melodia de reggae, completamente aleatória em relação aos sons industriais que o álbum parecia que ia trazer. Porém, diferente de B w/z You, a voz de Namie mantém um tom mais contido e algumas guitarras aparecem na melodia no meio da música, deixando, pelo menos, com um pouquinho de coesão com as outras faixas… Mas, ó, esta aqui funciona muito melhor pra ser escutada sozinha do que na sequência do álbum.

No Communication deixa claro que o álbum não tem o mesmo nível de coesão sonora de Sweet 19 Blues, sendo um synthpop alegrinho com umas guitarras no pré-refrão. Apesar de a base da melodia parecer música de fase tropical do Sonic e eu amar essa sonoridade, o clima não combinou nem um pouco com o que eu estava esperando ouvir do álbum e eu acabei não curtindo muito a faixa não…

http://www.dailymotion.com/video/x3ewd0

A Walk in the Park (pra quem quiser ver o videoclipe original é só clicar aqui), o primeiro single do álbum, tem tudo para ser um número incrível de dance rock: um crescendo legal (mesmo a introdução da melodia sendo gigante), gritos completamente desnecessários a todo o momento e uma mistura de vários instrumentos na melodia que não deixa a guitarra cair na mesmice. Só que o problema da faixa acaba eclipsando todas as suas qualidades: o péssimo refrão. Os vocais de Namie e a melodia sugerem um refrão gritado muito menos açucarado do que o que temos na música, gerando uma sensação de que todo o crescendo foi pro ralo. Apesar disso, o single foi um sucesso e chegou a ser usado em comerciais pelo Japão.

File:a walk in the park.jpg

Em To-day temos novamente uma introdução gigante de um minuto e meio, mas, dessa vez para um som mais chill, apoiando-se em bongôs e em notas oitentistas de teclado. Outra faixa que tinha tudo para funcionar e ser incrível, mas, com os vocais de Namie extremamente mornos em um único tom e o tempo da faixa mal se alterando com o passar do tempo, ela dá até sono.

Storm vem com uma pegada mais experimental num estilo industrial, com Namie trazendo uns raps espertos e gritanto “storm!” no refrão. Dá até pra imaginar ela num beco com as manas mandando ver no break… Bem, isso no primeiro minuto, porque depois a batida fica cansativa e a faixa parece mais um interlúdio que foi alongado do que uma música completa.

Whisper, a única faixa que não foi single a ser usada em comerciais, aposta em um eurobeat mais padrão, o que é um alívio, já que ficou nítido que Tetsuya não conseguiu dosar muito bem a carga industrial mais roqueira com os vocais de Namie. Apesar disso, no fim, depois de toda exposição que já tive com o eurobeat dos outros dois álbuns da diva, esse não fedeu nem cheirou pra mim…

https://vimeo.com/96254494

E chegamos a icônica Can You Celebrate?, o primeiro single de Namie a ser uma baladinha, com uma construção clássica de violinos e teclas de piano, e, de sobra, um coro de igreja explosivo no refrão. Apesar de não ter qualquer sentido com as outras melodias presentes no álbum, a faixa é uma ótima representação de que é possível fazer uma boa baladinha sem cair na mesmice, sendo a música mais memorável do álbum INTEIRO (quem diria que justamente a música mais lenta do Concentration 20 conseguiria este posto??). O vídeo que coloquei traz a comparação do clipe original com o clipe do último relançamento que a música teve, em 2014, com uma Namie mais velha e mais imóvel nos videoclipes (mas isto é spoiler dos últimos capítulos kkk). Falando um pouco mais sobre o sucesso do single, ele foi usado como tema do dorama Virgin Road, associando-se a celebração falada na letra da faixa com a ideia de casamento, interpretação que caiu como uma luva na vida pessoal de Namie e manteve a faixa como a mais tocada nos charts, sendo, até hoje, um clássico para se tocar tanto em casamentos quanto no natal no Japão.

I Know… é uma faixa sem qualquer vocal que, como esperado, não tem absolutamente nada haver com a melodia de Can You Celebrate?… É difícil esse tipo de música cair nas minhas graças, ainda mais não sendo muito bem apoiada pela posição na tracklist e não tendo nenhum sentido oculto. A alteração dos elementos que compõe a melodia no decorrer da faixa até que é legal e vale a pena ouvir pelo menos uma vez, só pela curiosidade.

http://www.dailymotion.com/video/x5rtkj

Namie Amuro - How to Be a Girl.jpg

O álbum encerra com How to Be a Girl, o terceiro single de Concentration 20, conseguindo combinar o rock com vocais mais tranquilos e mais agressivos de Namie, tendo um refrão contido e solos de guitarra que complementam a melodia, além de ter uns elementos meio aleatórios que surpreendem no pré-refrão. É até irônico que as únicas tentativas de rock que realmente funcionam no álbum são a primeira e a última música do mesmo.

 

Conclusões NM#1Minhas expectativas para Concentration 20 foram completamente destruídas quando ouvi o álbum. O dance rock e o techno ficaram completamente deslocados, com músicas compridas demais e uma tracklist desconexa sem muito direcionamento. No fim, apenas a intro, Can You Celebrate? e How to Be a Girl ficaram realmente na minha memória. Forçando um pouco a barra, até dá pra colocar Close Your Eyes, Close to You e Me Love Peace!! nesse balaio, mas, ainda sim, não dá metade das músicas do álbum… Sinceramente, eu esperava mais de Namie, sendo este o pior dos três álbuns que já ouvimos aqui nessa série de posts:

 Sweet 19 Blues
 DANCE TRACKS VOL. 1
 Concentration 20

Como este post era pra sair em janeiro e só viu a luz do dia agora, o capítulo três de A Saga da Diva Quase Aposentada Namie Amuro dará as caras ainda este mês, onde teremos o primeiro baque que Namie sofreu em sua vida particular e o começo da desassociação do nome de Namie ao som produzido por Tetsuya Komuro

 

13 comentários em “[Album Review] Namie Amuro – Concentration 20 (ou A Saga da Diva Quase Aposentada Namie Amuro: Capítulo 2 – Dance rock e o single mais vendido de todos os tempos!)

    1. Eu tive que ler esse post da Chung Ha, o título ficou muito bom xD kkkk
      Nas velhas japas, eu ainda tenho fé na Utada (quando vem a vontade de escutar músicas na bad) e um pouquinho na Koda (quando vem a vontade de party hard kkk)
      Vi as novidades e te respondi ^^

      Curtido por 1 pessoa

  1. Enfim chegou, achei as músicas num geral morna e concordo com suas opiniões das músicas. Can You Celebrate? Foi a única balada que ouvi_ sem ser de cantores ocidentais_ que gostei na primeira ouvida, fiquei até chocada com isso.
    O mais impressionante é que sinto_ não sei vou aguardar as próximas reviews 😊_ que tem pelo ao menos tem umas tees a quatro músicas que gosto, diferentes de outros álbuns que já ouvi

    Curtido por 1 pessoa

    1. Can You Celebrate? realmente me espantou pela qualidade kkkk Há esperança pras baladinhas xD kk
      Sobre os outros álbuns, não sei kk O conceito é real e de todos os álbuns dela eu só tinha ouvido PAST>FUTURE antes de começar essa série de posts kk Vamos ver…

      Curtir

  2. Olha, tirando os 3 singles e talvez whisper e me love peace!! achei o resto do album bem dispensável mesmo.. Não chega a ser horrível mas também não é algo que eu me vejo ouvindo mais de uma vez. A tracklist sem nexo também não ajuda em nada mas fazer oq pelo menos temos Can You Celebrate? para abençoar nossos ouvidos

    PS: Não tinha visto isso aqui antes então estou comentando atrasada mesmo hehe

    Curtido por 1 pessoa

    1. Justamente… O fato de ser a Namie já deixa as expectativas mais altas e vem com um negócio mais básico assim?? @.@’ Pelo menos os singles foram bem escolhidos kk

      PS: o importante é que você comentou xD

      Curtir

  3. Ñ consigo ouvir esse álbum (só se tiver com uma disposição sobrehumana e isso só aconteceu duas vezes). Gosto bastante da Musica dos índios (Eu amar paz), apesar do vocal dela me causar arrepios (não de maneira positiva). Essa I Know… acho q é como a intro de Body Feels Exit no álbum anterior, sendo q nesse ela decidiu manter separada da música (How To Be A Girl), daí faz mais sentido até no título: I know how to be a girl!!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Nossa, faz sentido esse negócio com I Know!!! o.o Eu tive disposição de escutar várias vezes o álbum só pra fazer esta review, porque olha… x.x
      “Música dos índios” kkkk E eu achando que a diva dos índios era a Xuxa com o smash hit “Vamos brincar de índio…” kkkk

      Curtir

  4. I’m reading all your posts thanks to google translate! Great Blog!!
    I’ve been a fan of Namie since Checkmate. I took the time to listen to all her previous work. Oddly I don’t like the albums of Concentration 20 and Sweet 19 Blues, I can’t conceived how these could be her best sellers (I know is because the TK fever of 90s japan)

    I like the 181920 versions of the old songs

    My pick on this album

    B w / z You (the live made me like it)

    A Walk in the Park

    Whisper (the live made me like it)

    Can You Celebrate?

    How to Be a Girl

    Curtido por 1 pessoa

    1. OMG, I can’t believe you are reading a translated version of the blog xD Thank you, I’m so happy that you like it!! ^^ (and thanks google translate o/)

      I thinked about start posting in english some time ago but I couldn’t find the best way to mix it with the portuguese posts and I don’t have (yet) the propper time to write more posts per week @.@’

      But, anyway, my love for Namie Amuro started close to her retirement, so I came with this post series to uncover all of her previous albums (and became a little disappointed in the process haha).

      Today, some months after writing this post, just Can You Celebrate? from this album stil have a place in my playlists…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s