[Review/Fanfic] LOONA – Curiosity

(ou A Saga do Loonaverso: Ato II, Capítulo 3)

Imagem relacionada

Continuamos aqui no blog a megalomaníaca Saga do Loonaverso!!!! Com mais ou menos uma semana depois do último capítulo, aproveitamos esta semana mais tranquila no k-pop e voltamos para a Lua, nesta epopeia digna de Sailor Moon!!

Vamos ao terceiro capítulo do Ato II da Saga do Loonaverso!!!

Anteriormente em A Saga do Loonaverso… Tudo parecia prestes a ruir. O retorno do Loonaverso, um universo paralelo ao nosso, tal qual sonhado por HaSeul e sua equipe, estava prestes a ser obliterado com a série de discórdias que irromperam entre as doze garotas responsáveis por sua criação e destruição:

  • Heejin e Hyunjin, as irmãs wiccas, protegiam a desacordada Yves, a anja, dos ataques furiosos da androide Vivi, que teve sua programação alterada por Haseul;
  • Choerry, desperta enquanto vampira, estava prestes entrar em um embate sangrento com Olivia, a anja demoníaca, e JinSoul, a sereia, do qual Yeojin e Kim Lip provavelmente não sairiam vivas;
  • E HaSeul, a fada da neve, estava prestes a iniciar uma disputa ferrenha com GoWon, a bruxa das dimensões, na qual Chuu seria a grande vítima.

Porém, quando tudo parecia perdido, Kim Lip toca em Yeojin, despertando suas memórias perdidas e seus poderes. Num movimento rápido, a garota dos sapos faz um feitiço que eleva todas as doze garotas ao céus… Rumo a Lua!

Sendo observadas por um ser enigmático, a Ruiva, que substituiu uma das doze fundadoras por uma espiã, Go Won e HaSeul chegaram a Lua, apenas para ver Chuu não conseguir respirar no solo lunar. Sem conseguir ajudá-la, a fada e a bruxa se veem sem saída, até que Chuu desaparece, sem deixar quaisquer rastros…

Anjos não haviam sido criados para sofrer. Alguns descrentes poderiam duvidar deste fato, mas, em sua própria concepção astrofísica, anjos foram desenhados para a apreciação neutra e harmoniosa da humanidade. Sensações como desespero e horror não condiziam com estas entidades. Algo desta monta seria venenoso para seu âmago. E mortal.

Por este motivo tragicamente singular, o grito desesperado de Yves ecoou por todas as crateras da Lua. Era um urro sombrio e avassalador. Um som que deveria ser inaudível a todos os seres existentes. Uma canção composta para jamais ser tocada.

Heejin e Hyunjin recebiam o impacto do grito em sua totalidade. Estavam no mesmo recinto de Yves, os destroços do grande saguão do Castelo Lunar, onde testemunhavam, com similar desespero, a cena pavorosa que se postava. Abraçadas, Hyunjin permanecia de costas, incapaz de conter as lágrimas que encharcavam a roupa de sua irmã wicca de sangue. A discussão que tiveram durante a perseguição na Terra não fazia mais sentido. A perseguição em si não fazia mais qualquer sentido…

Conforme gritava, Yves emitia uma luz negra, provinda de suas lágrimas que iluminavam o local de forma sombria. A viagem até a Lua havia restaurado suas forças. Lembrava-se vagamente de Heejin e Hyunjin lutando para salvar sua vida. O plano, suas companheiras, o loonaverso… Tudo se transformava drasticamente em razão do que se postava diante de seus olhos.

E estaria prestes a se transformar cada vez mais.

“Yves?”, questionou a voz serena da Bruxa das Dimensões ao adentrar o salão, “Ouvimos um gri…”, uma expressão de choque emoldurou as feições de Go Won, obrigando-a a utilizar músculos faciais que já havia esquecido que existiam, “O-o-o qu-ue-?”

“Ah, bruxinha, o que foi?!”, exclamou HaSeul, atrás da Bruxa, ainda sem noção do que havia a sua frente, “Descobriu se o urro que ouvimos é de alguma fera que sequestrou Chuu?”

Yves, de repente, parou de gritar.

“Chuu…”, sussurrou, fracamente.

“O que poderia ter o feitio mágico de calar a boca da frondosa Bruxa das Dimensões…?”, assim que se ultrapassou a bruxa, a fada da neve pode vislumbrar, em toda a sua glória sangrenta a cena que paralisava todas no recinto.

O corpo cibernético de Vivi se encontrava destroçado, esparramado entre os escombros do que outrora deveria ter sido um rico e imponente saguão de entrada, uma poeira prateada enevoava todos o cenário, deixando as partes sobressalentes do corpo de Vivi ainda mais nítidas em meio aquele cenário gélido. Dentre os dedos, cotovelos, pernas e braços que se achavam espalhados diante de Yves, Go Won, Heejin, Hyunjin e HaSeul, nada era mais medonho que o rosto sem vida da androide, que fitava a todas com um olhar frio e sem vida, em meio a um sorriso sombrio.

“É só por isto?!”, HaSeul exclamou, involuntariamente, “Pela aurora boreal! Vocês estão transformando chuva em granizo! Vivi é uma androide, podemos remontá-la e tudo voltará ao normal!”

Era impossível dizer se a fada estava sendo ingênua ou cínica, mas seu tom, assim como o ambiente, era congelante.

“HaSeul!”, Go Won exclamou, como uma reprimenda, “Até para uma fada, esta foi uma fala sem o mínimo de tato!”

A ideia de uma bruxa tentar ensinar uma fada sobre o que seria tato e cortesia, fez HaSeul enviesar um sorriso. Um sorriso que foi o suficiente para Yves.

“Foi VOCÊ!”, ela gritou, virando-se, pela primeira vez, para trás.

HaSeul piscou levemente, surpresa com a reação da anja. O rosto de Yves estava vermelho e enevoado. As lágrimas que ainda encharcavam seus olhos eram pretas, escuras como o vazio, mas tenebrosamente brilhantes como as estrelas.

“Foi você que programou Vivi para me atacar! A culpa de eu ter de matá-la é SUA!”

“Não faço ideia do que está falando”, mentiu HaSeul, “repito a dizer que, o que quer que tenha acontecido com Vivi, podemos consertar”, e depois acrescentou, propositalmente: “E Chuu está desaparecida!”

“Não vai me enganar!”, os olhos de Yves passaram a brilhar com a mesma sombra enegrecida de suas lágrimas. Era como se sua íris deixasse de existir, sugando, consigo, praticamente toda a luz no recinto.

“Yves!”, Go Won gritou, receosa. Uma labareda de fogo azulado surgiu de sua mão, desafiando as leis físicas lunares. “Acalme-se.”

Como poderia se acalmar?! Depois de aterrissarem na lua, Vivi ainda tentava matá-la! Por mais que as irmãs wiccas tentassem honrosamente defendê-la, só havia um jeito de impedir que as investidas da androide continuassem…

“Eu vou te MATAR! EU VOU TE TRUCIDAR COMO VOCÊ FEZ EU ATACAR VIVI!”

A anja avançou para a fada, erguendo suas asas. Era nítido o esplendor de sua persona e a maravilha celestial de seu ser conforme suas mãos formavam halos de luz dourada extremamente brilhante. A penumbra do dos destroços foi substituída pela avassaladora claridade, que cegou momentaneamente as wiccas e a bruxa, conforme a anja arrastava a fada para fora do Castelo, enforcando-a.

O toque quente de Yves derreteria a pele de qualquer ser não mágico em instantes, mas, para a pele gélida de HaSeul, aquele seria apenas um incômodo sustentável. Porém, naquele momento, era claro que, assim como ocorrera quando tentara salvar Chuu, algo impedia que os raios da anja atingissem, de fato, sua pele.

“Não entendo o porquê acha que este foi um bom plano”, dizia Yves, conforme se elevava nos céus junto de HaSeul, “achou que eu não a mataria pelo que fez a Vivi?! Não me importo com o retorno do loonaverso! Nada te protege de meu poder!”

HaSeul apenas sorriu. Por mais que a ida à Lua não estivesse em seus planos, Yves estava reagindo exatamente da forma esperada:

“Memórias”, ela disse, simplesmente, “pelas memórias que posso dar a Vivi quando reconstruí-la”

Yves paralisou. A própria força com que agarrava o pescoço de HaSeul afrouxara diante daquela ameaça.

“Agora já chega!”, uma voz jovem e autoritária gritou, extremamente próxima, “Estamos em solo sagrado!”

Às costas de Yves, HaSeul conseguia vislumbrar a jovem e brilhante figura de Yeojin, sendo guiada em meio a atmosfera lunar pelas asas assimétricas de Olivia.


Curiosity é um synthpop atmosférico inspirado na onda indie de vaporwave, sem deixar de soar levemente mainstream e dançante pelos raps declamados nos versos. É o tipo de faixa que o instrumental brilha, onde o fato de escutar com fones de ouvido muda toda sua percepção (falo por experiência própria). Neste sentido, seria uma faixa perfeita para o caminho que yyxy parecia estar trilhando, em que uma melodia mais ousada se misturaria com uma letra e vocais mais fofinhos e românticos, sendo bem mais agradável e marcante que boa parte do que o grupo desovou depois do debut solo da Olivia.

Neste sentido, o tom da curiosidade aparentemente bobo e infantil da letra ganha um caráter mais sombrio em razão dos sintetizadores que marcam o final de cada linha do refrão, algo que tentei transmitir com o fim trágico da relação entre Yves e Vivi, com a revelação do porquê HaSeul fez o que fez, satisfazendo a curiosidade (badum tss) de vocês kkk

Por fim, de forma surpreendente, as vozes que mais se destacaram foram as que não chegaram propriamente a cantar, com destaque para Go Won (what??) e Choerry, finalmente fazendo sentido o porquê de terem colocado a Bruxa das Dimensões num grupo em que mesmo as rappers teriam mais capacidade vocal que ela @.@’


E este foi o terceiro capítulo do Ato II da Saga do Loonaverso!!! O que acharam do plano de HaSeul?? Ficaram curiosos (badum tss) para o que Yeojin e Olivia farão??

O próximo capítulo vai ao ar na semana que vem xD Aguardem!!!

Acompanhe o Ato II da Saga do Loonaverso!!! Um capítulo/review por semana!!!

Ato II, Capítulo 1 – XX

Ato II, Capítulo 2 – satellite

Ato II, Capítulo 4 – Colors

Ato II, Capítulo 5 – Where you at

Ato II, Capítulo 6 – Butterfly

Ou confira os capítulos (e reviews) do Ato I da Saga e veja como as doze fundadoras se reencontraram depois da tragédia que destruiu o loonaverso!!!

Ato I, Prelúdio – Odd Eye Circle

Ato I, Capítulo 1 – Yves

Ato I, Capítulo 2 – Chuu

Ato I, Capítulo 3 – Go Won

Ato I, Capítulo 4 – Olivia Hye

Ato I, Capítulo 5 – yyxy

Ato I, Capítulo 6 – favOrite

Ato I, Capítulo Final – ++

2 comentários em “[Review/Fanfic] LOONA – Curiosity

  1. Sapuda mostrando quem é que manda! Gostei!

    Sobre Curiosity, acho a faixa mais fraca do [X X], mas mesmo ela é bem interessante. E ela funciona surpreendentemente bem como uma transição entre Satellite e Colors.

    Apesar de algumas pessoas terem se decepcionado com as músicas das OT12, pra mim o [X X] é o melhor álbum do ano até agora. E olha que teve muita coisa boa já lançada nesse primeiro trimestre, mas pelo menos por ora, nenhum outro lançamento bateu a qualidade desse álbum (especialmente Where you at – aliás, me espanta que as melhores músicas das OT12 estão sendo justamente as baladas, apesar de baladas de k-pop costumarem ser bem chatinhas).

    Curtido por 1 pessoa

    1. Minha opinião sobre um álbum como um todo vou deixar pro último post deste ato kkk Mas, com o tempo acabei preferindo Curiosity a Satellite (apesar da letra da última ser bem mais inventiva @.@’)… Agora, na Saga, a Sapuda tá com todo o destaque que não se esperava dela há um ano atrás kkkk

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s