How You Like That, BlackPink: Eternamente, a mesma fórmula…

Estava na dúvida se escrevia um post rápido pra ver se aproveitava o timing do lançamento do novo single do BlackPink (já que isto é um fato que ocorre apenas quando os planetas se alinham ou quando a YG quer abafar alguma polêmica interna), mas, vendo como a minha Album Review do primeiro mini delas é o terceiro post mais visto do blog, pensei “por que não?”

Vendido como o primeiro single do primeiro full album delas (algo que, como alguém que acompanha as mentiras da YG há uns oito anos, duvido bastante que este álbum possa acontecer ainda esse ano), How You Like That prometia ser mais um single que seguiria a fórmula estabelecida pelo grupo em seus últimos lançamentos, com o diferencial de termos umas três perucas diferentes que a Lisa usaria no mv…

Algo que é extremamente importante em qualquer trabalho artístico, seja ele qual for, é o desenvolvimento de uma autenticidade e de uma fórmula, que atraia fãs e os mantenha em uma zona confortável e segura para acompanhar os lançamentos. Como eu até disse no meu último post, o BlackPink, com seus lançamentos super esparsos, é um dos grupos que isto fica mais evidente (apesar de ser algo que observa em qualquer ato de sucesso).

Afinal, com trocentos lançamentos musicais por semana, a ideia de termos uma super liberdade para escolher o que quisermos ouvir, se torna, inconscientemente, um receio de “perder tempo” e se perder em trocentas “escolhas erradas” antes de achar as músicas “melhores”. Neste sentido, grupos que nos trazem segurança do que vamos escutar acabam virando nossos favoritos, principalmente porque são lançamentos super previsíveis.

How You Like That, como esperado, segue a fórmula BlackPink a risca: Jennie abrindo a faixa, versos e pré-refrão intercalados por Jisoo e Rosé, drop no refrão com coro de onomatopeias, volta pra raps (só que desta vez com Lisa), repete o pré-refrão e o refrão, e encerramos com uma bridge que aumenta a potência dos drops já apresentados e explode em um breakdown de coro com novos elementos.

Dito isto, a faixa não chega a trazer nenhuma super inovação e provavelmente vai ter um efeito parecido com o single do ano passado. Se você gostou de Kill This Love, vai gostar dessa aqui. Se odiou, vai odiar. Se tinha ressalvas, continuará com elas…

O que, pra mim, significa que os grandes pontos fortes do grupo continuam sendo os clipes super produzidos e uma ou duas b-sides que surpreendem (Kick It continua sendo minha música preferida delas). Enquanto eu fico esperando pelo full album (se um dia ele sair kk) pra ouvir as b-sides, apenas admiremos o clipe, que representa visualmente as figuras de linguagem utilizadas na letra para falar sobre término e superação perante algum interesse amoroso ou só perante algum homem babaca mesmo.

Falem o que quiser, o projeto visual das capas delas é sempre impressionante…

Acho que uma parte do que faz o BlackPink funcionar tão bem tanto entre o público ocidental quanto oriental tem muito haver com o quanto o grupo consegue se manter tradicional e progressista ao mesmo tempo. Elas falam muito sobre empoderamento feminino, mas todas as letras são produzidas por homens (olá, Teddy). Elas trazem uma sonoridade menos parecida com o que associamos a atos femininos, mas mantêm visuais do que esperaríamos de qualquer ato feminino.

No fim, é a dualidade entre preto e rosa que o marketing por trás do grupo propõe desde seu debut em 2016, que, considerando o contexto capopeiro de mudanças contínuas de conceito, é incrível que ainda esteja tão presente depois de quatro ano.


PS: Já passou um tempinho que isto explodiu na internet, mas é importante lembrar do que está ocorrendo com os protestos contra violência policial ocorrendo em vários lugares do mundo (inclusive aqui no Brasil). Percebi que é crucial neste momento procuramos nos informar e ajudar como puder (principalmente nos conscientizando sobre racismo). Não estou no meu lugar de fala aqui, mas estou dando o meu melhor para aprender a ser antirracista (é o mínimo do mínimo que posso fazer sobre tudo isso). Se você quiser/puder ajudar, clica aqui e dá uma olhada nos links do Black Lives Matter, compartilhando se possível. Em relação a conscientização, eu vi um vídeo muito bom falando sobre racismo para dar os primeiros passos para ter atitudes antes antirracistas, clica aqui pra dar uma olhada. Muito obrigado por ler o post até aqui!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s