Kill This Love, BlackPink: Dedicado para você que vai elogiá-las amanhã só pra ganhar biscoito | Album Review 004

E voltamos para mais um post relembrando a grande discografia (haha) do BlackPink, com uma review de seu segundo EP, Kill This Love. Caso esteja estranhando o hype que estamos criando aqui com estas Albums Reviews, não é porque eu blink não ou esteja super ansioso pelo álbum, assim como não é pra tentar agradar uma fanbase enorme e atrair views (porque minhas experiências com o BTS me ensinaram que isto é uma perda de tempo… O legal deste tipo de blog pessoal é justamente ser sincero com nós mesmos e ver quem se identifica com nossas opiniões). Isto faz mais parte do processo de reciclagem de posts antigos do blog, consolidando o redebut de MINX pra Dreamcatcher aqui no Aquário (aguarde que logo logo aparece umas mudanças aqui no layout)… Enfim, hoje eu estou meio filosófico e bad vibes, então vamos ver o quanto as opiniões mudaram sobre o álbum das assassinas do amor e como meu humor vai influenciar na acidez das críticas?

Resultado de imagem para kill this love cover black and pink

O pequeno álbum abre com Kill This Love,  uma mistura de trap e EDM melancólico, trazendo uma ordem simples e fixa em sua composição, que assemelhou-se positivamente com todos os singles do grupo até aqui. Os raps da Jennie e da Lisa abriram muito bem os versos, criando um contraste interessante com os melismas de Rosé no pré-refrão (a parte da Jisoo, por sua vez, foi completamente descolada e alheia ao resto da faixa). Além disso, o refrão, apesar de não ter muito conteúdo vocal, segue uma linha mais orgânica que o comum para o grupo, trazendo, até hoje, um caráter leve de novidade interessante.

O clipe, por sua vez, é visualmente bonito e chamativo (assim como DDU-DU DDU-DU), seguindo a “clássica” linha de clipes de k-pop que parecem não ter absolutamente nada a ver com a letra da música na superfície, com não sei quantos significados ocultos que só serão analisados no youtube se o grupo é hypado.

As integrantes até conseguiram um spotlight equilibrado, com as manas do rap (Lisa e Jennie) e o time da sofrência (Rosé e Jisoo) atuando bem em seus respectivos papéis. Contudo, a sensação de que elas são mais uma unit de solos do que um grupo em si fica cada vez mais evidente. Eu escrevi isto ano passado, mas ainda é real: até a união de quatro aspirantes a solistas em Wow Thing parece ter mais química entre as integrantes que o que temos aqui…

A seguir temos Don’t Know What to Do, um single house melancólico que qualquer avulsa poderia ter lançado nos EUA para aproveitar a modinha da vez a la Anne Marie com Marshmello. Não é algo para se reclamar, considerando que a música está legalzinha e segue no mercado que o grupo está mirando. E, por incrível que pareça, até que envelheceu comigo melhor que o esperado (afinal eu fiquei completamente desgastado de house depois da superexposição de 2016/2017). É uma boa faixa lado pink, que, apesar de não ser apocalíptica como Forever Young no Square Up, é uma b-side bem competente.

Kick It, pra mim, é um diamante na discografia do BlackPink. De longe, a melhor música que o grupo já trouxe, com um diferencial e um caráter épico que merecia, pelo menos, um clipezinho porco com os bastidores do photoshoot. A faixa traz uma proposta um pouco mais interessante, com uma sonoridade trap ganhando um caráter mais tropical com leves elementos de house nos versos e no refrão. É como se estivéssemos ouvindo uma versão mais modernosa de uma power ballad das celebridades Disney dos anos 2000, com o mesmo tipo de letra levemente feminista falando sobre esquecer para sempre o carinha e ganhar independência. Por fim, os harmônicos de todas as integrantes ficaram extremamente gostosos de se ouvir no refrão, além de termos um breakdown extremamente interessante de vocais mais agudos (???) e infantis (??????). Nunca que eu esperaria isto do BlackPink, nunca mesmo. Eu espero que tenha alguma faixa assim no The Album (não necessariamente no mesmo estilo, mas que traga esta mesma sensação de novidade).

Porém, da mesma forma, eu nunca esperaria que dessem uma baladinha como Hope Not pra elas. Sério, de quem foi esta ideia?? Números mais lentos e reflexivos já funcionaram bem (Stay tá aí como prova), mas trazer uma baladinha romântica no piano extremamente padrão e previsível é justamente o oposto que o grupo se propõe a fazer com seus lançamentos bagunçados em mil elementos e inspirando, nem que seja um pouco, de girl power. O pior é que a música nem chega a ser ruim por si só, mas soa destoada no álbum, que, até então, mostrava uma certa lógica na tracklist… Não marcou minha memória na época e, definitivamente, não me marcou agora.

O remix de DDU-DU DDU-DU  é uma mistura de tudo que é detestável em remixes, no qual encheram a música de sintetizadores pesados, pasteurizando qualquer caráter mais único que a melodia poderia ter, sem contar que esqueceram de manter o breakdown. Uma das piores finalizações de álbum em tempos, sério…

BLACKPINK está de volta com “Kill This Love”, seu novo EP!

Kill This Love é um álbum bem mediano, que só compensa MESMO pela preciosidade que é Kick It e pelo single ser menos pior que DDU-DU DDU-DU. Na época, eu tinha a impressão de que elas poderiam ter lançamentos melhores e tinham potencial, mas, hoje, sinceramente, eu só aguardo calmamente o disband em 2023 pra ver como a Lisa vai dominar a Tailândia. A YG mostra o mínimo de esforço toda vez que elas ganham um lançamento e, cada vez mais, isto diminui qualquer apelo que o gerenciamento da empresa queria trazer. É sempre uma promessa que não vai ser efetivamente cumprida (é só pensar, por exemplo, que o que eles tão chamando de “full album”, tem O MESMO NÚMERO de faixas que o futuro EP do LOONA).

E o mais o que dá mais raiva é que é este tipo de gerenciamento porco e lançamentos mais ou menos que ficam na memória das pessoas como “k-pop”, sendo que tem muita coisa boa aí. Agora é aguentar amanhã um monte de gente que nunca ligou ou escutou k-pop direito tecendo não sei quantos mil elogios pro BlackPink nas redes sociais… Se você é uma destas pessoas, obrigado por ler até aqui… Este post é dedicado a você.

O Aquário Hipster também tem Twitter!! Segue lá se quiser acompanhar indicações e comentários aleatórios de k-pop e BLs, com tweets ocasionais de artes e reflexões político filosóficas: @AquarioHipster

3 comentários em “Kill This Love, BlackPink: Dedicado para você que vai elogiá-las amanhã só pra ganhar biscoito | Album Review 004

  1. Eu realmente nunca consegui entender o porque que não investiram no grupo com pelo menos um full album decente sem ser reciclado por ano, igual o 2NE1 tinha as vezes. Provavelmente deve estar acontecendo algo por trás das cortinas que nós não fazemos ideia. Ótimo review!

    Curtido por 1 pessoa

    1. É bem triste pensar isto, mas o gerenciamento do 2NE1 pós-I am the Best mostra muito esta estratégia… Quase que 1 single por ano, um monte de promessas pro full album que não foram cumpridas :/

      Que algo está acontecendo, acho que sim, mas uma boa parte acho que é lei do mínimo esforço mesmo: a empresa gasta o mínimo possível com novos lançamentos pra lucrar o máximo possível

      Obrigado pelo elogio xD Que bom que gostou 💖

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s