Don’t Touch Me, Refund Sisters: Lee Hyori encarna o SUS e a Constituição e manda um recado pro Voldemort

A estratégia de lançamento de tudo que está envolvendo a Lee Hyori me confunde um pouco. Primeiro ela solta o áudio pra tocar nos streamings e nas rádios. Depois faz uma apresentação ao vivo da bagaça. E só no final é que temos um clipe. Esta é uma estratégia antiga de lançamento (e ultrapassada, porque hoje os lançamentos vem tudo de uma vez e com o mínimo de antecedência possível…), mas tem funcionado bastante pro apelo retrô raiz que ela tá buscando pros seus projetos. Dito isto, eu nem estava planejando já escrever sobre o clipe agora (até porque descobri que ele lançou hoje há uns 20 minutos), mas depois das notícias políticas que vi hoje, achei melhor comentar aqui pra esfriar um pouco a cabeça…

Don’t Touch Me é SUPER DATADA. Ela traz aquela batida de dubstep e eletropop bem comum lá pro final da primeira década deste século. É até estranho pensar hoje, porque, há uns dez/vinte anos atrás a pegada era ser super futurista e hoje o objetivo é ser o mais retrô e analógico possível (ou pelo menos evocar isto).

Lee Hyori, Uhm Jung Hwa, Hwasa e Jessi conseguem segurar a música com tanta facilidade e carisma que nem os visuais mais questionáveis ou os passos mais estranhos tiram o poder da faixa para qualquer fã da segunda geração do k-pop. Entretanto, pode dizer o que quiser, mas eu estou VIVENDO por todas as partes da Uhm Jung Hwa, seja nos looks Power Ranger Vermelha ou nos vocais melancólicos que super combinam com a música (como o próprio Dougie mencionou no twitter há um tempo atrás, ela conseguiria lançar algo assim tranquilamente como solo).

A Lee Hyori marcou negativamente, porque o cabelinho ficou… estranho, ainda mais com os looks Kill Bill. E, por incrível que pareça, a Hwasa Power Ranger Azul e a Jessi Sem Cor ficaram um pouco apagadas no resultado final. Também, com duas lendas da indústria do lado, fica difícil não servir só de escada mesmo.

De resto, tanto o clipe e a música só ficam na memória e emplacam pelas pessoas envolvidas nisto aqui. Se umas nugas lançassem isto, ia ser só datado e pegar uma posição lá pros 40° no top de final de ano. Até o galpão utilizado parece coisa de nugus, tanto de forma negativa quanto positiva.

E, claro, em meio as notícias do governo atual querer privatizar o SUS e sugerir uma nova Constituição, uma música que fala NÃO ME TOQUE pode ser interpretada como elas personificando ambas as instituições e mandando pro governo esta mensagem pra não mexerem EM NADA, PELO AMOR DA DEUSA, porque qualquer porcaria que fizerem vai só tornar ainda mais precário e deixar os cidadãos com menos direitos ainda (eu fiz direito, então afirmo com todos os cinco anos que passei de perrengue e uma carteirinha da OAB nas costas de que nossa Constituição é uma das melhores do MUNDO, com o grande ponto negativo sendo a aplicabilidade do que tá escrito lá pelo Poder Executivo).

Refund Sisters to donate all profits from 'Don't Touch Me' to charity |  allkpop

Don’t Touch Me é um retrô que eclipsa muito bem o pop feminino de carão do começo dos anos dois mil, com todos os seus pontos positivos e negativos. Pra mim, isto significou uma espécie de catarse pras inseguranças sobre o cenário político atual e um faixa divertida que, apesar de não ser o apocalipse feminino que eu esperava, cumpre muito bem o seu papel e mantem uma linha conceitual com todos os projetos de aspecto retrô da Lee Hyori neste ano. Minha esperança é que a Uhm Jung Hwa continue lançando música depois do sucesso disto aqui…

(E considerando que todos os lucros do single estão sendo doados para caridade, talvez o fundo político não seja apenas coisa que minha cabeça inventou pra me acalmar desta situação).

PS: O rolê do Voldemorth do título não foi apenas uma referência ao coiso e seus asseclas comensais no governo brasileiro, mas também pra mencionar aqui toda a movimentação política que tá acontecendo na Tailândia para conquistar democracia (lembrando que eles são uma monarquia), com vários movimentos sociais acontecendo nas últimas semanas que não estão sendo nem um pouco veiculados pela grande mídia. Se quiser saber mais, dá uma olhada no twitter Latin Americans Support Thai Democracy.

PSS: Os últimos posts estão com vários comentários e estou muito boiolinha por isto, sério, aquece muito o coraçãozinho 🥰 Muito obrigado por comentar 💖 Assim que o dia der uma acalmada, responderei todo mundo

PSSS: Acabei de ver que toda esta notícia do SUS pode ser uma forma de desviar a atenção, porque o candidato a prefeitura de São Paulo do Bolsonaro está com o nome no PCC… Vamos promover o voto consciente nas eleições municipais xD

10 comentários em “Don’t Touch Me, Refund Sisters: Lee Hyori encarna o SUS e a Constituição e manda um recado pro Voldemort

  1. Uma coisa que tenho reparado, não sei se os kpopers que cansaram de muita coisa inédita, a roda sendo refeita sempre, ou se esse ano o retrô mais pé no chão tem sido o maior foco: os singles da Hyori nas units, o debut oficial do Wonho, a pegada oitentista de muitos grupos. Espero que isso seja mantido, porque singles experimentais tem sido um pouco tensos

    Curtido por 1 pessoa

    1. O rolê dos “experimentais” é que na real boa parte deles só segue a onda mainstream americana mesmo… Eu espero que as coisas mais leves e pé no chão se mantenham também, porque AS VEZES É O CÚMULO O TANTO DE COISA “”””INOVADORA”””” que tá vindo cheio de firula até meio problemática (né, aespa?)

      Curtido por 1 pessoa

      1. O meu detalhe com o Aespa é a estética K-Da que o SooMan meio que trouxe algo inédito (Não o lado virtual, mas a interação entre elas que aparentemente estará nos MVs tbm, oq é algo bom), mas se elas vierem com a mesma sonoridade do K-Da (Que acaba sendo um NCT mais refinado e menos barulhento) e aguentar por mais de 3 anos esse conceito, eu acho que o Aespa pode surpreender (Ou, sei lá, pega toda essa estética Avatar/Cristal Encantado e mescla oq o Cosmic Girls faz com o tryhard do NCT)

        Curtido por 1 pessoa

      2. Não sei se elas vão sonoramente pro mesmo lado do KDA… Mas acho meio problemático esta criação de avatares baseado no rosto das meninas… Tipo, como funciona o contrato por trás, sabe? Será que a SM vai ter os direitos dos stages name e do próprio rosto delas? Fiquei meio noiado… (e hype pra debut já perdi há um tempo depois de tanto debut que teve…)

        Curtido por 1 pessoa

      3. Com licença, da até um alivio ver alguém que achou aquilo super estranho. Não sei se estou ficando velha, mas não curti também.

        Curtido por 1 pessoa

  2. “Também, com duas lendas da indústria do lado, fica difícil não servir só de escada mesmo” sim, nem me toquei da Hwasa e Jessi. Eu não conheço tanto assim sobre Uhm Jung Hwa, mas já ouvi falar muito dela. Mas tipo, a mulher tem uma presença muito marcante e a voz também. E Lee Hyori né, mesmo com o cabelo estranho ainda conseguimos relevar hehehehe.
    É estranho mesmo ouvir uma música com essa pegada em meados de 2020, mas até que não soou tão esquisita e tão indigesta. Mas a sensação ainda tá lá.
    PS. Sobre o negocio do SUS, duvido nada ter sido uma cortina de fumaça. Porque foi muito maluco, no dia seguinte todo mundo falando isso e eu tipo “é sério mesmo??” E depois eles voltando atrás…hum. so sei que esse governo é uma merda.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Dá uma olhada no último álbum dela que é MUITO BOM 😆

      Ela é tipo a Cher pra mim, pode fazer o mínimo possível que já se destaca pela iconicidade
      PS: Siiim, é uma merda x.x Falta muito tempo pra acabar T.T Mas acho que o pessoal acabou percebendo, porque foi bem rápido que este rolê acabou (pelo menos é o que eu espero kk)

      Curtir

  3. A música é maravilhosa e a tendência é ela crescer em mim, parece algo que o Timbaland produziria e que me fez lembrar da gostosa The Way I Are. Quanto à parte da Uhm Jung Hwa içada “parindo” as outras, só me fez lembrar disso aqui:

    E quem diria? Nunca imaginei que o menino-homem que escreve por aqui fez DIREITO (!!!!!!!). Eu que tô velhx, só consegui decidir o curso de faculdade que quero levar até o fim com 25 anos (já tô com 28 e agora só devo o estágio e as temidas horas complementares)

    Curtido por 1 pessoa

    1. Nossa parece mesmo (capaz de esse rolê do Valentino ter sido usado até de inspiração 😅)

      Ah, eu fiz direito mas não vou seguir na área não kkk Vou até prestar vestibular pra fazer outra faculdade a partir do ano que vem (e tenho 23 pra 24 então estamos meio que na mesma xD kkk) Vai com força que falta pouco pra acabar 🙏🏽🙏🏻

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s