O que o disband do GFriend pode nos dizer sobre a maturidade do kpop?

Pela primeira vez desde a volta do Aquário no meio do ano passado, um grupo grande e comentável teve seu disband. E, não, não foi o April, não foi o Red Velvet, não foi o Lovelyz… Foi o GFRIEND!! Eu fiquei um pouco na dúvida do que poderia escrever aqui pra não deixar o fato passar em branco, então resolvi discorrer um pouco sobre umas mudanças que percebi neste disband em comparação ao que vinha ocorrendo com os disbands da segunda geração…

GFRIEND não renova contrato com Source Music; entenda! - Suco de Mangá

É muito louco parar pra pensar, mas o fato é que o fim do GFriend marca o primeiro grande disband da 3ª Geração (que, pra mim, pega todos os grupos que hitaram/começaram a partir de 2015 até agora). Sem nem ter rumores ou burburinhos sobre o fim dos contratos das meninas com a Source Music, DO NADA, deu a notícia que todas saíram da empresa pra, dois dias depois, já ter cartinhas de despedida feitas a mão internet a fora.

Existe um contexto muito específico do GFriend que faz tornar ainda mais inacreditável que elas acabaram: a empresa foi comprada pela HYBE (antiga Big Hit), houve um aumento significativo de investimento nos comebacks delas, assim como um maior liberdade criativa na definição de conceitos e produção das músicas. E, depois de TRÊS ANOS no automático, elas renovaram sua imagem, trazendo singles e conceitos impactantes o suficiente para voltar a ser destacáveis da multidão de comebacks.

Numa superfície, tudo parecia tranquilo e quieto demais. Nenhuma grande polêmica, nenhuma integrante sendo perseguida pela fanbase, nenhuma falcatrua de empresa, nenhum single de despedida. NADA. Foi literalmente o disband mais anticlimático que tivemos. Fiquei encucado com isso, porque a resposta da fanbase (pelo menos no meu twitter) foi muito realista e pé no chão, já aceitando a ideia de disband antes mesmo de se ter certeza disto… Oras, mas, por quê? O que aconteceu com aqueles fãs pique SONEs que vão acreditar que o grupo estará sempre junto não importa o que aconteça? O que aconteceu com a necessidade de milkar streams da fanbase com um single porco de despedida?

Conversando sobre e dando uma pesquisada, fui lembrado (pelo Wendell) que elas tiveram SIM uma polêmica no começo do ano. Algo bem sério, mas ao mesmo tempo bem líquido, a cara dos cancelamentos do k-pop. Num retrospecto, parece ser algo muito pequeno pra causar a total desistência da marca. Mas aí outros detalhes se juntam…

Depois da notícia da não renovação dos contratos, fãs foram pesquisando e descobriu-se que a Source Music não ia tão bem das pernas assim. A fusão com a HYBE simplesmente ACABOU com a empresa, com a grandona do BTS injetando muito dinheiro e recebendo pouco, o que resulta (em termos bem simplificados) numa balança negativa de lucros e a iminente falência da Source Music. Talvez a HYBE esperasse que o GFriend desse mais retorno, talvez a Source Music não soube gerenciar muito bem seus recursos, talvez a HYBE fez isso de propósito mesmo (a regra do capitalismo monopolista).

Juntando estes dois pontos, fica um cenário bem similar a o que estamos acostumados a ver no cenário capopeiro, com os dois típicos problemas de final de grupo acontecendo ao mesmo tempo (polêmica com integrante e mal gerenciamento da empresa). Ainda assim, a resposta dos fãs foi bem mais madura que o esperado. Eu fiquei chocado, sinceramente. Não falou-se a palavra “disband” em nenhuma das matérias iniciais sobre a questão e todo mundo já assumiu que o grupo tinha acabado mesmo.

Até fiquei com receio de falar abobrinha, porque eu achei muito estranho isto acabar do nada (e, ainda, sem bater nos usuais sete anos de contrato) e jurava que elas iriam continuar com outro nome em outra empresa. Mas, com as cartas das integrantes, fica muito improvável acreditar numa reunião que não seja apenas comemorativa.

Eu fui mais esperançoso que vários Buddys, fiquei muito chocado kk

De certa forma, isto pode ser o primeiro exemplo de uma espécie de “maturidade” no cenário capopeiro, da segunda pra terceira geração. Não é mais a primeira leva de disbands que vimos, então não somos mais tão crentes de que os grupos irão continuar. É um entendimento mais disseminado da máquina do k-pop que, em consequência, pode significar muitas pessoas se chocando menos com o que encontra de ruim dentro dele (quem não lembra da primeira polêmica de k-pop que acompanhou e como isto mostrou o quanto cruel este cenário pode ser?).

Tudo isto pode ser apenas porque eu vi uma parcela pequena de fãs do GFriend no meu Twitter, mas, ainda assim, é bem interessante… Enquanto produto cultural, não é apenas o k-pop que vai amadurecendo, mas também são seus fãs, sejam eles novos ou velhos.

Sobre o grupo, pode ser que eu estou numa semana meio ruim (desde o final de semana passado tô bem estressado e atacado da rinite) mas fiquei meio sentido com a notícia. Aqui no blog, elas conseguiram marcar o 4ª e o 11º lugar no TOP de 2020, além de quase conseguir um TOP30 com Three Of Cups. E o álbum de Fingertip, The Awakening, é um dos meus preferidos do k-pop como um todo.

(Também tem o fato da minha irmã ter sido Buddy por um tempo, mas foi rápido e ela já não tem mais ligação com o grupo há uns dois anos, então é uma relação bem mais distante do que com o Girls’ Generation e o Apink).

The Awakening Concept Photo - GFriend] | Sinb

Então, foi isso. O primeiro post de disband da 3ª geração. Logo mais todos os grupos que debutaram em 2015 vão passar por esta cortina de fogo e é meio imprevisível o que pode acontecer (vamos lembrar que grupos como Rainbow e SISTAR acabaram enquanto grupos como Apink continuam até hoje, algo que NINGUÉM imaginaria). Pra quem se interessar, aqui em baixo tá o fio do Twitter com as cartas de cada uma das integrantes (eu não li porque provavelmente ia ficar mais sentido ainda e a Rafa, que é Buddy, fez um top10 com as músicas preferidas do grupo, vai conferir lá ^^ (se você já não foi, claro).

O Aquário Hipster também tem Twitter!! Segue lá se quiser acompanhar comentários aleatórios de k-pop e BLs, minha “stream” textual jogando Pokémon e tweets ocasionais de artes: @AquarioHipster

19 comentários em “O que o disband do GFriend pode nos dizer sobre a maturidade do kpop?

  1. eu tbm notei uma reação mais controlada da fanbase em relação ao disband do gfriend (óbvio que tinha um ou outro comentário surtado, mas era a minoria) e, sei lá, buddys nunca fizeram muito barulho. ou a gente defendia quando diziam que o conceito delas era mecânico, ou a gente shippava com o bts, ou a gente só ouvia as músicas e via os programas que elas participavam (meu caso). num geral, essa movimentação mais calma da fanbase me deixou mais calma tbm pra refletir sobre o que eu vivenciei desde ontem de manhã quando li a notícia, e tbm já não tenho mais idade pra chorar por kpop, então ver todo mundo ficar tipo “é só isso, não tem mais jeito, acabou, boa sorte” foi muito bom. términos não precisam ser sempre trágicos, né? a gente aprende isso quando cresce com os grupos (pelo menos a maioria).

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu acho muito interessante esta questão do ship com o BTS, até eu já escrevi numa fic um ship dos dois (se não me engano era Eunha e Jungkook 🤔). A diferença dessa fanbase pra outras, né? kkkk Pode ser um reflexo ao comportamento do próprio grupo e do direcionamento delas… De toda forma, com certeza, é uma forma muito mais saudável de acompanhar alguma coisa e manter a sensação de coletivo. Uma forma de enxergar stanear k-pop de uma forma bem madura mesmo…

      Sobre términos, eu mesmo ainda não tinha pesado nesta forma kk Você tem toda a razão, estes encerramentos de ciclos não precisam ser ruins e todo este contexto parece estar vendo isto desta forma também

      Curtido por 1 pessoa

  2. “talvez a HYBE fez isso de propósito mesmo (a regra do capitalismo monopolista).” eu tenho essa teoria, pq se a finada Big Hit já tinha intenção de comprar a Source (E as amizades entre CEOs era algo bem explícito), ele tinha conhecimento de que o grupo rendia bastante, mas não ao ponto de lançar, por exemplo, MVs tão bem produzidos como foi de Crossroads para frente

    E tomando exemplo que a Disney comprou a Blue Sky apenas para simplesmente demitir todo mundo e fechar as portas, podemos suspeitas que a Hybe está agindo da mesma forma

    Curtido por 1 pessoa

    1. Mas ainda assim, há um detalhe que me deixa com dúvidas: Pledis foi comprada e apresentava rombos enormes devido à corrupção dos antigos CEOs, tanto que a própria acessoria da BH, ano passado, disse que o segundo grupo que mais lucrou na empresa foi o GFriend, e os Seventeen e Nu’est tão lucraram, pois td foi revertido na dívida da empresa. E isso mostra que se for vdd que a Source está mals das pernas mesmo com o investimento da Hybe, podemos esperar que os grupos da Pledis vão td bater perna logo, logo na mesma proporção se eu estiver certo

      Curtido por 1 pessoa

      1. Não duvido muito, porque depois desse negócio da Disney e da Blue Sky, eu tô desconfiando de tudo (fiquei com um ÓDIO quando vi essa notícia, sério).

        Sobre a Pledis, eu não manjo muito da situação. Mas o Seventeen tá em idade pra ir pro exército né? Então eles podem dar uma segurada debutando integrantes solo ou coisas pré-gravadas (não lembro de nenhum grupo que acabou ACABOU perto do exército… Sempre foi antes ou depois, ou eu só não tô lembrando direito mesmo kkkk). Já o NU’EST… Capaz de eles arredarem o pé mesmo. Acabaram de comemorar dez anos, consolidadíssimos. É até estranho dizer que “não parece” que eles podem acabar (porque com o GFriend era justamente esta a impressão que eu tive), mas se eles saírem, acredito que vão dar um jeito de manter a ilusão que o grupo existe (seja lançando música ou não).

        Curtido por 1 pessoa

      2. Nu’est já foi pro exército e voltaram td? E sim, Seventeen tem MTA gente pra ir e voltar, e ir tapando o buraco (Isso se todos não forem ao mesmo tempo, pq eles são unidos ao ponto disso, e não é comum ter isso com um grupo grande assim)

        Curtido por 1 pessoa

  3. Caramba, eu nem estava sabendo disso 😦

    Nunca acompanhei Gfriend, mas guardo na memória a incrível fanfic de Gessica e suas amigas + The Awakening, que é um dos meus álbuns favoritos de kpop. Pelo que você disse me sinto mais triste que o próprio fandom? Que sensação estranha saber que não terei mais Gfriend mesmo não acompanhando elas.

    Acho que esse sentimento é pq está caindo a ficha, que os contratos de grupos que gosto e debutaram nesse período de 2015~2016 estão acabando, e bate a insegurança.

    Comecei a consumir kpop quando criança lá pra segunda geração e os disbands foram ultra traumáticos, o que você disse de maturidade + as cartas estarem mais a mesa para todo mundo ver faz muito sentido. Não acredito que isso se espalhe para todos os fandons, uns são mais maduros que outros (e a forma que a notícia vem influencia muito), mas um exemplo que posso dar é do atiny (que participo ativamente), se de um lado rola uns momentos ??? por falta de maturidade com x questões, por outro rola muita maturidade em cobrar empresa, não aceitar certas situações e etc – coisas que não veríamos na geração passada.

    Acho que o único grupo de segunda geração que terminou bem foi o SISTAR, posso estar errada, mas não lembro de polêmicas e elas conseguiram algo incrível para a época: saber encerrar no auge.

    Fico triste pelo fim do Gfriend, mas essa explicação da HYBE faz bastante sentido. Me pergunto como ficarão os outros grupos que estão sob esse grande guarda-chuva da HYBE e que fim levarão.

    Enfim, me resta ficar sentimental e escutar The Awakening 😭💔

    Curtido por 1 pessoa

    1. Nossa, e bota traumático nisso… Você tá certíssima quando disse que o único que encerrou bem foi o SISTAR (o Rainbow também foi de boas, mas elas tinham começado a flopar pouco antes, então não foi no auge), era integrante com mais foco que as outras, polêmicas sem sentido, empresa que não pagava… Olha, quem viu isso (ou vê em retrospecto) acaba ficando bem mais alerta kk

      Eu concordo com você nesta questão de variar de fandom pra fandom e acredito MUITO que isto está relacionado a forma como o grupo é vendido. Tipo, se o grupo é vendido com uma imagem de “somos as maiores e não sei o que” (BlackPink), parece ser natural que a fanbase reproduza este discurso e seja mais tóxica, imatura e tudo mais… Agora, se é um grupo que é vendido com uma imagem menos prepotente (o Oh My Girl, por exemplo), os fãs tendem a refletir esta calmaria e ter umas atitudes bem mais maduras (o caso dos atiny parece ser este último pelo que você falou).

      O Gui falou em cima, mas, depois dessa, fica meio imprevisível saber o que vai acontecer com os grupos da PLEDIS. Como são boybands com um tempo de carreira nas costas já (o NU’EST e o Seventeen), eu não manjo muito, então nem sei o que esperar x.x’

      “me sinto mais triste que o próprio fandom? Que sensação estranha saber que não terei mais Gfriend mesmo não acompanhando elas.” – EXATOO, o jeito é dar replay em The Awakening mesmo T-T

      Curtido por 1 pessoa

  4. O que me entristece é saber que, apesar delas terem evoluído a imagem e o repertório musical delas, ainda assim, não teve um grande retorno, tanto que infelizmente floparam feio no ano passado. E essa coisa do k-pop ser cruel é um saco, não me esqueço de uma garota de um girlgroup, que só porque usou um outro pronome de tratamento com o maknae do BTS, foi massacrada na Internet. Isso fez com que a menina ficasse depressiva e saísse do grupo dela (espero que a coitada esteja bem). Se as empresas de k-pop são cruéis, nós sabemos que tem certos fãs que conseguem ser n vezes PIOR do que o local de origem de seu fanatismo doentio pelos idols

    Curtido por 1 pessoa

    1. Gente, que caso BIZARRO!

      Fandom tóxico existe muito e é uma sacanagem que as idols (porque são sempre as mulheres) terem de passar por isso. Eu nem imagino como deve ser acompanhar k-pop fora do nosso contexto, porque tem uma boa parte dos brasileiros que leva as coisas na brincadeira e é mais de boas e tals… Agora pega uns gringos?? x_x A impressão que dá é que não há espaço para qualquer opinião além de “hino”

      Curtido por 1 pessoa

  5. Fiquei muito surpresa, abri o insta e no susto apareceu a notícia.
    Com esse disband acabou acendendo um alerta sobre os outros grupos da terceira geração. Eu não tava ciente de que já faz 6 anos desde o início da terceira geração, o tempo voa demais.
    Realmente o GFriend seria o último grupo do kpop que eu imaginaria um disband tão repentino.
    Não acredito que elas possam se reunir novamente em outra empresa, mas se isso acontecer também ficaria feliz, gostei muito da sonoridade mais maduras delas e realmente estava esperando mais disso no próximo comeback😕

    Curtido por 1 pessoa

    1. Isto parece que foi um aviso mesmo, porque ano que vem vai ser TENSO… O tanto de grupo que debutou em 2015… Já começa com o Twice (e o Red Velvet já é esse ano x.x)…

      Tava ansioso pra mais também (pra mim ia ser questão de tempo até eu deixar pra um álbum delas nessa nova fase), mas né, o rolê é dar replay nos antigos msmo… :/

      Curtir

  6. Foi o disband mais surpreendente que já vi, pelos motivos citados pelo texto. Sobre o fandom, o do Gfriend é de boas. Eu espero essa ilusão de sones tem com o SNSD com o Blackpink quando anunciarem o delas.
    Torci muito por elas e vou ser franca que desses grupos que iriam desbandar eu esperava o Red Velvet_ que não acredito mais no retorno em grupo, e estão só esperando chegar a renovação pra talvez assinar e ficar no porão ou sairem_

    Curtido por 1 pessoa

  7. Sou carat e pra responder a pergunta sobre a pledis…bem é complicado. A empresa já sumiu com pristin no auge do grupo, fazia cagada com o after school, hellovenus foi parar em outra empresa,o nuest era mistreated. E aí tá, tiveram a brilhante ideia de debutar self produced idols e fazer 13 pirralhos fazerem tudo mesmo. Eles tem lucros exemplares na coreia, japão e internacionalmente, tem vendas boas, iriam fazer world tour incluindo América latina e Europa mas veio cvd. É possível que ocorra algo? Sim, mas talvez algo meio Ex8(n o processo trabalhista mas o grupo parar de focar no grupo e meter ficha em carreiras solos estruturadas p manter o povo na empresa).
    O que raios a hybe tem a ver com um bg que vende milhões de cópias? Duas opções: um plano b pra fácil lucro já que os nugu originais floparam feio ou tomar os integrantes lucrativos pra hybe(especialmente os chineses e os coreanos já conhecidos pelo gp). Acho dificil o gfriend voltar pra hybe pq elas talvez odiaram as mudanças contratuais😭. A questão é que a h ybe já era pra ser uma empresa foda mas não tem ninguém do seu catálogo original que tu se lembra ou gosta além do B.. e da aquisição antigogfriend +nuestseventeen.
    Estou triste pelo gfriend mesmo n sendo buddy…

    Curtido por 1 pessoa

    1. Valeu pelas informações 💖 Parece que o rolê dos projetos solos/em units tá acontecendo mesmo, porque o Hoshi já debutou e essa semana tem coisa com duplinha de integrantes. O grupo como um todo parece que vai virar mais um megazord pra lançamentos especiais…Não sei, essa é a impressão que tá passando pra mim…

      Mas isso de não tem UM ATO ORIGINAL FORTE é difícil, e sem UM ÚNICO GIRLGROUP no catálogo agora que o GFriend saiu… O TXT e o ENHYPEN tão crescendo, mas tá faltando mulheres nessa empresa T^T

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s